Sprint: um método para testar e aplicar ideias em reuniões

Top view of six people, men and women, drawing bright yellow light bulb on a large sheet of paper or placard. Conceptual of teamwork, research, education and innovation.

 

Antes de serem implementadas, boas ideias costumam exigir tempo e análises profundas. Por isso, nem sempre as reuniões dinâmicas de brainstorming acabam por apontar as soluções mais eficientes. Em vez disso, tanto startups quanto grandes organizações têm investido na alternativa criada pelo designer Jake Knapp. Analisando seu próprio ambiente de trabalho, ele constatou que nenhuma ideia gerada em brainstorms havia sido efetivamente lançada pela organização. Conforme percebeu, as soluções executadas pelas equipes eram todas resultantes do trabalho individual. No entanto, o designer considera fundamental a variedade de habilidades e conhecimento, bem como opiniões conflitantes que surgem em equipes. Para ele, inclusive, esses são os ingredientes mais saudáveis para o sucesso. A partir dessas observações, Jake Knapp criou o Sprint.

Prático e detalhado, o método reúne dicas e técnicas de produtividade que podem ser aplicadas a diferentes projetos. Dessa forma, contribui com insights para tornar as reuniões ainda mais eficazes. Para tanto, o segredo é dividir o processo em etapas e concentrar as equipes nas prioridades mais urgentes. Afinal, Knapp defende que grandes desafios e prazos curtos ajudam a manter o foco e a dedicação.

 

Ao embate: Brainstorming x Sprint

 

  1. IDEIAS RASAS x IDEIAS DETALHADAS

Durante o brainstorming, as ideias são ditas em voz alta, geralmente em sequência. Neste método, o objetivo é poder extrair algo valioso entre a grande quantidade de sugestões. Já no Sprint, cada colaborador considera várias abordagens e dedica aproximadamente uma hora a esboçar uma ideia. Ao final, são apresentadas ao grupo menos soluções, porém cada uma será altamente detalhada e singular.

  1. PERSONALIDADE x CONTEÚDO

Pessoas mais extrovertidas e criativas costumam dominar as reuniões. Assim, colaboradores mais introvertidos podem se sentir menos encorajados pelo processo de brainstorming em grupo. Já no Sprint, as ideias se sustentam por conta própria, pois seus esboços são anônimos.

  1. PROBLEMAS DE DISCUSSÃO x PODER DE DECISÃO

Os dois métodos valorizam as diferentes opiniões. Contudo, muitas vezes um brainstorming leva as equipes a se expressarem em soluções diluídas. Já no Sprint cada grupo possui um integrante responsável por tomar decisões.

  1. RESULTADOS ESCRITOS x RESULTADOS TESTADOS

Enquanto o brainstorming é encerrado no papel, o Sprint exige que a equipe crie um protótipo e faça testes. Assim, ao concluir o processo, todos terão mais clareza sobre o que pode ser feito a seguir.

 

DICA: Se você quiser se aprofundar no método Sprint, o livro de Jake Knapp está disponível no Apple Books.

 

Foto: iStock/Gajus

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Veja também: